Relação da tradução simultânea com a globalização

Atualmente, o mundo está cada vez mais conectado, e viajar de um lugar para o outro se tornou mais fácil, rápido e barato. Um dos resultados disso é que agora pessoas do mundo inteiro, que falam diferentes idiomas, podem se reunir em eventos, conferências ou palestras, aumentando a demanda por serviços de tradução simultânea.

Essa constatação parte do blog Global Watchtower, que identificou que o aumento da oferta de serviços relacionados à tradução simultânea é um fenômeno recente que está se tornando comum em países que falam mais de uma língua (como a Bélgica) ou que recebem grandes números de imigrantes ou turistas.

Segundo o blog, até países como Sri Lanka e Uganda, que parecem destinos improváveis, apresentaram crescimento nos serviços de tradução simultânea e comunicação multilíngue. Em países como a Austrália, o governo destinou meio milhão de dólares para o treinamento de mais intérpretes dos diferentes dialetos falados no país.

Mas até em países que possuem uma única língua há demanda crescente por serviços de tradução simultânea, alimentada principalmente pelo turismo internacional, mas também por causa da multiculturalização interna, resultado da imigração.

Um exemplo é o Japão. O último censo, realizado 2005, revelou que há 1,6 milhões de estrangeiros vivendo legalmente no país, o que corresponde a 1,22% da população total japonesa. O crescimento em relação ao censo anterior, realizado em 2000, foi de 18,7%. E os brasileiros estão por lá: deste número, 210 mil são brasileiros, formando a terceira maior comunidade de estrangeiros que moram no país, atrás da coreana, que tem 410 mil representantes, e da chinesa, com 350 mil.

No Brasil, observou-se aumento na demanda por serviços de tradução simultânea durante a Copa do Mundo; espera-se que o mesmo ocorra nos próximos anos, em eventos como as Olimpíadas de 2016. A tendência, como fica claro, é que cada vez mais a tradução simultânea seja requisitada.